NOTÍCIAS


Golpes utilizando as redes sociais são comuns em Schroeder e região

Os casos de estelionato utilizando redes sociais têm sido cada vez mais comuns.

Ao se apropriar do perfil de pessoas, os golpistas passam a conversar com a rede de contato delas e costumam solicitar apoio financeiro ou oferecer mercadorias, como se fossem os titulares da conta.

Com acesso às conversas do dono do perfil, os criminosos podem facilmente se passar por ele e fornecer informações que parecem verdadeiras. E foi assim que uma moradora da região, de 30 anos, acabou perdendo R$ 1 mil no último fim de semana.

Segundo revelou, teria perdido ainda mais não fosse estar sem limite no PIX e o aplicativo do banco ter barrado quando tentou fazer uma transferência.

“Pelo Instagram, vi que uma amiga estava vendendo móveis e eletrodomésticos para alguém, pois a pessoa iria embora do país. Eu já tinha comprado coisas assim dela, então, quando começamos a negociar, não desconfiei”, afirma.

A pessoa por trás do golpe, usou as conversas anteriores da dona do perfil e da vítima para falar sobre assuntos que passassem mais credibilidade.

Em dado momento, afirmou que havia mais 3 interessados no produto e que não pretendia baixar o preço, pois já estava barato.

“Ela me disse que se eu tivesse o valor, já passasse por PIX que garantia a TV pra mim. E eu passei. Como estava interessada em outras coisas, estimo que perderia mais de R$ 3 mil se tivesse conseguido mandar pelo PIX”, lamenta.

ALERTA DO BANCO

Ao tentar fazer uma transferência do valor restante no app do banco para a conta indicada pelo golpista, a vítima recebeu uma mensagem sobre tratar-se de fraude. Foi quando o alerta acendeu.

“Depois disso, fui atrás da minha amiga por outra rede social e descobri que tinham roubado a conta dela no Instagram. Fiz todo um procedimento no banco, que inclusive bloqueou minha conta e dinheiro, e registrei boletim de ocorrência online. Além de perder o dinheiro, passei vários dias sem poder movimentar minha conta”, explica.

NOME DO BENEFICIÁRIO

Conforme o escrivão da Polícia Civil e responsável pela Delegacia de Polícia de Schroeder, Marco Willians Rosa da Silva, é necessário verificar quem é o titular da conta que receberá o depósito.

Ele explica que quando a pessoa passa a chave PIX, no momento do depósito no internet banking, haverá o nome do beneficiário.

“Se você conhece a Jaqueline, por exemplo, e a conta está como Mário, você vai conversar para saber quem é. Se você sempre depositar para a conta da pessoa [que está fazendo a transação], nunca vai ter erro”, resume.

Willians ressalta que diversos tipos de golpe, inclusive para depósito de aluguel, já surgiram em Schroeder, mas que depositar na conta no nome de quem está negociando já reduz 90% do risco de sofrer estelionato.

PREÇO MUITO BAIXO

O escrivão orienta, também, ter atenção ao comprar de uma empresa e o beneficiário (dono da conta) ser uma pessoa física, o que também pode indicar golpe.

“Outro detalhe para a pessoa se atentar é que às vezes está muito fácil: o preço está muito mais baixo que o de mercado, ou a pessoa fala que tem um atravessador, começa a ficar complicada a história”, comenta.

Ao vender, ele enfatiza, o melhor é exigir o dinheiro em mãos, e, se estiver comprando, o ideal é exigir a nota fiscal e só pagar depois que tiver o objeto em mãos.

A Polícia Militar de Santa Catarina orienta que, sempre que possível, a pessoa faça uma chamada de vídeo para confirmar de que está realmente conversando com a pessoa certa.




06/02/2022 – Rádio Schroeder

SEGUE A @SCHROEDERFM.OFICIAL

(47) 3307-2435

contato@radioschroederfm.com.br
Schroeder – SC

NO AR:
AMOR SEM FIM