Operação conjunta fiscaliza 30 postos de combustíveis em SC e autua quatro
16/07/2019 21:02 em Geral

A Operação Posto Seguro deflagrada nesta terça-feira, 16, fiscalizou 30 postos de combustíveis em seis cidades do Estado. Destes, quatro foram autuados e tiveram bombas interditadas por abastecerem uma quantidade menor do que marcava, ou por estarem com o lacre Inmetro rompido. 

Para entrar no grupo de WhatsApp da Schroeder FM, clique aqui

A operação foi formada por agentes do Instituto de Metrologia de Santa Catarina (Imetro), Polícia Civil, e Secretaria de Estado da Fazenda, além da Agência Nacional do Petróleo (ANP). 

Os agentes percorreram postos em Florianópolis, São José, Itajaí, Joinville, Itapema e Porto Belo. O objetivo foi apurar a qualidade e a quantidade de combustíveis comercializados, além de verificar denúncias de fraudes fazendárias. 

Os nomes das empresas que foram alvos da fiscalização não foram divulgados. Ninguém foi preso.

Os proprietários dos locais notificados têm um prazo para regularizar a sua situação, sujeitos multas e até o fechamento do estabelecimento.

O presidente do Imetro, órgão vinculado à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE), o subtenente Rudinei Floriano, realça a importância das fiscalizações para garantir a segurança dos usuários. 

“A Operação Posto Seguro será contínua, a fim de verificar e garantir a qualidade dos combustíveis, a integridade das bombas e as possíveis adulterações na composição dos produtos”, destaca Floriano.

O secretário da SDE, Lucas Esmeraldino, ressaltou que uma das atribuições do Imetro é fazer com que a sociedade tenha acesso a produtos de confiança. 

“Isso promove relações de comércio justas e incentiva a competitividade no Estado. As Operações são fruto de ações de inteligência em conjunto para reprimir e reduzir as irregularidades que prejudicam o consumidor'', frisou.

A ação coordenada pelo Imetro, em parceria com o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), Delegacia Crimes contra a Fazenda (Defaz), envolveu mais de 100 agentes.

COMENTÁRIOS